Circular Pocket

Maringaense troca multinacional por vida mais simples

22/02/2017 | Texto: Karen Gomes | Foto: Arquivo

Compartilhe

 
Despertador, uniforme, bater cartão, chefe, oito horas de expediente a cumprir, e a ansiosa espera para ser feliz na sexta-feira. Na maior parte das vezes, esse é o preço para ter o salário garantido na conta todo quinto dia útil.

Há quem viva bem com esse estilo de rotina e os esperam a coragem para mudar de vida. E existem aqueles que largam grandes oportunidades profissionais para ganhar menos e ter mais qualidade de vida.

Essa foi a decisão do maringaense Pedro Abrão, que abriu mão de fazer parte de uma empresa multinacional após um intercâmbio na Irlanda, para encontrar mais tempo para a sua verdadeira paixão: o montanhismo! “Eu sempre tive o sonho de me tornar um grande empresário, mas a experiência na Irlanda me mostrou que nem sempre o sucesso profissional significa ser feliz como pessoa. Neste intercâmbio, conheci 22 países, muitas culturas e pessoas diferentes, o que foi crucial para mudar o meu jeito de ver o mundo. Mas mesmo após essa experiência, eu mantinha no meu subconsciente o sonho de trabalhar em uma grande empresa e consegui. Fui contratado por uma multinacional e após nove meses trabalhando, percebi que realmente não tinha perfil corporativo e que dinheiro não é o mais importante, tempo sim”, conta.

Entre a viagem para Galway, na Irlanda - onde foi estudar Engenharia Civil - e a volta para o Brasil, Pedro encontrou tempo para contemplar as belezas das montanhas. “Apenas três anos me ensinaram muito! Já me aventurei muito pelas montanhas brasileiras, e enquanto estava na Irlanda, também escalei por lá, além da Espanha e Polônia. Em 2015, fiz ascensão ao Huyana Potosí (6.088m), na Bolívia”.

Em janeiro desse ano, Pedro fez duas montanhas na Argentina que mudaram a sua vida: Cerro Plata (5.950m) e Aconcágua (6.962m), a maior montanha do hemisfério sul! “O fato de eu ter chegado ao cume do Aconcágua me mostrou que eu não fiz aquilo sozinho, com certeza minha alma estava fortalecida pela torcida de todos os amigos e familiares. Superar meus limites é como abrir uma outra dimensão na minha mente, é como se a minha zona de conforto aumentasse cada vez que me supero e isso me incentiva a sempre tentar algo novo.  Assim vou conhecendo pessoas, lugares, cultura e, principalmente, vou me conhecendo”.

Pedro acabou se formando em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), e há um ano, se mudou para São Paulo, onde faz mestrado e trabalha com desenvolvimento de materiais eco-eficientes. “Procurei algo que eu poderia conciliar dinheiro, trabalho, tempo e que conseguisse ir para montanha, atividade que me ensinou muito sobre a gratidão, respeito e traz calma à minha alma. Hoje valorizo muito mais minha paz de espírito do que os números na minha conta bancária. As prioridades agora são: compartilhar mais momentos com minha família e amigos, conhecer mais sobre mim e sobre as forças que regem a natureza, visando a espiritualidade e o autoconhecimento”.

MONTANHISMO

De acordo com Pedro, o montanhismo em alta atitude é um esporte que exige dedicação, principalmente de nós brasileiros, que não temos montanhas tão altas.“No Brasil, o treinamento fica restrito às montanhas que temos por aqui, que são muito boas para treinar. Como preparação para as últimas montanhas, foquei na corrida e yoga, além de eventuais treinos de escalada indoor”.

Para ele, o melhor treinamento é ir para a montanha, pois assim dá pra viver algumas condições que podem ser encontradas ao escalar montanhas mais altas. Além disso, Pedro afirma que o sucesso de uma expedição depende 70% da condição psicológica. “Essa condição psicológica tem muito a ver com a palavra respeito. Aprender a respeitar sua condição física, psicológica, respeitar as condições da montanha, as pessoas que estão com você e, principalmente, respeitar a natureza.  Se a palavra respeito estiver enraizada na sua alma, você saberá seu limite”.


Para quem quiser entender mais sobre escalada, Pedro mantém um blog e o canal ‘Namastrip’, onde fala sobre suas experiências e dá dicas sobre montanhismo.“Alguns acham que montanhismo é coisa de outro mundo, mas na verdade é uma atividade muito acessível e que traz um crescimento pessoal muito grande. A intenção do blog e canal é passar informações sobre o assunto de uma forma diferente, realçando mais a parte espiritual do montanhismo, esse contato com a natureza e com a nossa alma”, explica. 

Para esse ano, o aventureiro pretende terminar o mestrado e, claro, escalar muitas montanhas! “Além de fazer muita montanha aqui no Brasil, estou construindo um projeto para fazer as 10 maiores montanhas na Cordilheira dos Andes. É um projeto a longo prazo, cerca de 5 anos, mas sonhar não faz mal, né? ”.

Para acompanhar as dicas e aventuras do Pedro, acesse: https://www.namastrip.com/.





“Eu acho que o que segura muita gente em mudar de vida é a grana, e é lógico que hoje não vivemos sem dinheiro, mas para mim é tudo uma questão de adaptação. Se você ganhar um pouco menos, mas tiver mais tempo para realizar seus sonhos, tenho certeza que vai valer a pena. Se entregue ao sonho que tem, confie que vai dar certo, aceite se o sonho deu certo ou não e agradeça sempre! Se pudesse, aconselharia todo mundo a tirar pelo menos uns dois meses e viajar por aí, se autodescobrir. Em dois meses ninguém vai morrer, mas a sua vida vai mudar! Saia da sua zona de conforto, esqueça seus limites, sonhe, arrisque, planeje e realize seus sonhos!”.
 





 


GOSTOU? AQUI TEM MAIS!