Circular Pocket

Músico de Maringá cria plataforma de registro de instrumentos

31/03/2017 | Texto: Karen Gomes | Foto: Renato Domingos

Compartilhe

O economista e empreendedor Laio Thomaz, sempre esteve envolvido com a música. Baixista de três bandas em Maringá - Cafedelic, Burning Tons e Vivante - também já passou por outras três bandas em sua cidade natal, Botucatu, no interior de São Paulo.

Em 2014, quando atuou como professor e consultor do programa Bom Negócio Paraná - que oferece cursos e consultorias, gratuitas, para micro e pequenos empresários - passou a participar de reuniões e workshops no Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), onde teve mais contato com o empreendedorismo. “O que se prega muito quando se trata de empreender é solucionar um problema que seja comum à uma população e, com o passar do tempo, passei a reconhecer problemas na minha atividade musical. O convívio com os músicos e as trocas de experiências me fizeram perceber diversos problemas, como a questão de perdas e roubos de instrumentos e equipamentos musicais”, explica.

Foi então que surgiu o Grome, a sigla para Global Register Of Musical Equipaments, uma plataforma online em que qualquer músico pode registrar gratuitamente seus instrumentos. Em caso de perda é criado um alerta que comunica todos os músicos de Maringá e região. “Eu mesmo já esqueci um baixo quando toquei em uma festa no Parque de Exposições aqui em Maringá, em 2011. Felizmente consegui recuperá-lo, mas tive algumas horas difíceis de desespero”, relembra.

Essa ideia de criar registro para recuperar itens perdidos já existe em outros setores da economia, mas não de forma efetiva para instrumentos musicais. De acordo com Laio, essa ferramenta pode ser ainda mais eficaz do que com os itens que já usam algum sistema parecido, como pets, bicicletas e etc. “Geralmente um instrumento musical é caro, e é difícil ganhar rios de dinheiro apenas fazendo um som, são anos de estrada para comprar aquilo que a gente deseja. Além de ter um valor monetário caro, também tem valor sentimental alto, pelos momentos que a gente vive ao lado dele. Por isso temos que cuidar, então tive essa ideia e chamei o Chico (Francisco Xavier da Costa Jr.), que é formado em Administração e especialista em Gestão de Projeto, para me ajudar a desenvolver esse trabalho”, conta.

O alerta do instrumento perdido fica disponível na plataforma para consultas e compartilhamentos até o equipamento ser encontrado ou o músico desativar o alerta.“Assim, mesmo que você não encontre o seu instrumento na hora, quando alguém estiver vendendo o fruto do roubo, o possível comprador pode verificar se aquele item está no GROME e assim, não se tornar receptador de roubo”. As informações geradas no sistema serão fornecidas para os músicos com o objetivo de melhorar os métodos de prevenção e a plataforma será totalmente gratuita, tanto para consultas como para registros.

LANÇAMENTO DO GROME
O Grome entrou ao ar dia 1 de março e, quem tiver interesse em se cadastrar, clique aqui
Para saber mais, acesse: http://www.2grome.com.br.
 





 




 

GOSTOU? AQUI TEM MAIS!